terça-feira, 3 de janeiro de 2012

A greve dos policiais no Ceará e a sociedade repressora

Está na hora de repensar uma sociedade na qual policiais são mais importantes do que professores e médicos, por exemplo. Um sociedade que se mostra completamente vulnerável e refém de sua própria máquina repressora. Onde as palavras "coibir", "oprimir" e "proibir" são mais valorizadas e até certo ponto necessárias do que "educar" e "cuidar".

A greve dos policiais, em pouquíssimos dias, parou o Ceará, enquanto que as de profissionais da educação e da saúde se arrastaram durante meses sem que causassem tanto clamor popular e sem a mesma erosão na popularidade de um governador que está num partido dito socialista, mas que de socialismo só tem a letra S na sigla.

Acredito que para uma sociedade ser considerada verdadeiramente justa e igualitária e para que ela forneça o mínimo de qualidade de vida para seus componentes, ela não deve se valer mais da repressão e opressão em detrimento da construção de cidadania, nas escolas, e da prestação de cuidados aos necessitados, pelos profissionais de saúde e organizações sociais.

Enquanto nós seres humanos precisarmos ter alguém sempre à espreita, na vigília para que não cometamos delitos e enquanto não conseguirmos controlar nossos instintos animalescos, violentos e selvagens é sinal de que estamos no caminho errado, muito distantes de viver numa sociedade ideal.

PS: Uma vez que o que está escrito acima é algo distante da realidade, continuemos descendo o pau no CIDitador incompetente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário